Chile-Flag-128

SANTIAGO: dicas, passeios e um roteiro com neve e vinho

Cordilheira dos Andes, Valle Nevado e vinícolas: um roteiro cheio de atividades na capital chilena
Publicado em:

Quando foi a Santiago: Agosto de 2016

Quanto tempo: 5 dias

Pra quem quer “brincar na neve”, curtir vinícolas e conhecer um pouco de Santiago, incluindo pontos turísticos, noite, artesanato e gastronomia, consegue fazer tudo em cinco dias sem precisar correr. Localizada aos pés da Cordilheira dos Andes, a capital do Chile e os seus arredores têm inúmeras atividades para agradar a todos os gostos.

Se o objetivo é ver neve, a melhor época é de junho a agosto. Corre o risco de não ver nevar, mas as estações de esqui vão estar com neve suficiente para as atividades. Eu fui do dia 18 a 22 de agosto de 2016, e por sorte vi bastante neve na estação. Contratamos todos os passeios com a agência Alfatur Chile e fomos atendidas especificamente pela Melanie, que nos deu suporte 24 horas pelo Whatsapp.

TRANSPORTE:

As cinco linhas do metrô de Santiago servem bem a região central, mas para alguns lugares é preciso pegar ônibus. De qualquer forma, o táxis têm preços acessíveis e podem ser uma boa ideia, principalmente à noite. Para ir às montanhas próximas da capital, como o Valle Nevado, a solução mais prática é fechar o transporte com alguma agência de turismo.

HOSPEDAGEM:

Em Santiago, ficamos três noites no Bem Estar Apart Hotel – proprietária Camila, apartamento de dois quartos ótimo e bem localizado no bairro de Bellavista. O preço de três diárias foi de 300 dólares, valor que foi dividido em quatro pessoas, dando 75 dólares para cada uma e nós. Vale a pena ficar em apartamento e abastecer com coisas do mercado porque sair pra comer na cidade é bem caro.

Na estação de esqui El Colorado, ficamos uma noite no El Colorado Bungalows. Como fechamos a viagem em cima da hora, não tinham muitas opções de hospedagem e ficamos em uma acomodação que era uma cabana de madeira com dois quartos e sala, muito confortável, com uma varanda super agradável e visual lindo. Cabiam de seis a oito pessoas, e éramos em quatro, pagamos um total de R$ 1.787 a noite, incluindo jantar e café da manhã, que foram sem dúvidas nossas melhores refeições da viagem! Tivemos um investimento de R$ 450 cada uma, mas pernoitar nas estações é caro mesmo, e se alimentar (não só na neve) também é, então valeu muito a pena.

– FAÇA AQUI A SUA RESERVA PELO BOOKING.COM OU HOSTELWORLD.COM

PASSEIOS:

1º DIA:

Vinícola Santa Rita: Chegamos em Santiago pela manhã, deixamos as coisas no hotel e fomos direto pra vinícola, com o transfer da Alfatur. O guia falava português, eles são receptivos e explicam detalhadamente todo o processo desde a plantação até o engarrafamento do vinho. Tem uma degustação de um vinho branco e dois tintos, e eles dão a taça de brinde. A degustação foi engraçada e o guia ensinou a olhar cor, sentir cheiro, identificar sabores, e a segurar a taça. Passeio com clima super intimista, e valeu muito a pena! Muito mais do que a Concha y Toro, que é uma vinícola completamente comercial que fomos no final da viagem, e a recepção e o tour deixaram a desejar. Vale a pena agendar almoço na Santa Rita, não fizemos a reserva porque fomos no dia que chegamos e não deu tempo. Vale avisar que lá não aceitam dólar (e nem na maioria dos locais em Santiago. É bom já levar pesos para não perder tempo trocando). Esse passeio com transfer custou aproximadamente 35 dólares.

Tour de bares e boates: À noite fizemos o Happy Ending Tours, que achamos no Trip Advisor como dica de melhor passeio noturno em Santiago. Entrei em contato e fui atendida pelo Andres, que explicou como funcionava e montou um roteiro de acordo com o que a gente esperava curtir na noite. Era meu aniversário e os guias prepararam várias surpresas. Eles nos buscaram no hotel e a mesma van fez o transporte entre os locais visitados. A recepção, o tour e a animação da equipe são ótimas, integraram muito bem o grupo que era composto por uns 15 turistas. O tour começou às 20hs, e nós voltamos para o hotel às 4h da manhã. Fomos ao Moloko Bar, onde experimentamos pisco e empanadas (incluídos no valor) e podíamos pedir musicas pro DJ, e às boates Las Urracas e Cosmopolita, ambas animadíssimas, tocam de tudo, mas principalmente reggaeton. O passeio custa em torno de 80 dólares, mas não temos problemas com segurança, filas, ingressos, e ainda temos direito a alguns drinks ao longo da noite, e ficamos nos camarotes reservados para grupo. Então, vale muito a pena levando-se em consideração que são as boates mais “top” de Santiago. 

2º DIA:

Valle Nevado: A maioria das pessoas fecha o passeio de bate-volta para o Valle Nevado (37 dólares, de transporte de van), que fica a 46km da capital chilena. Nós optamos por pernoitar na estação de esqui El Colorado, e por conta disso pagamos um pouco mais devido ao transfer privado que precisamos na volta, mas essa decisão fez toda a diferença na viagem. Não vale a pena ir e voltar no mesmo dia, pra passear, fazer as atividades na neve e esquiar, não dá tempo. Além disso, é lindo ver anoitecer na estação, e nevar à noite também. Para quem vai apenas entrar no Valle Nevado, é de graça. Mas existem várias opções de ingresso para quem quiser esquiar, o valor de adulto para o dia inteiro é de 49 mil pesos chilenos (74 dólares). Outras atividades, teleférico e pacote com almoço também são pagos (veja os preços no site oficial).

Por volta de 6h da manhã o transfer da excursão nos buscou no hotel e fizemos uma parada para alugar roupas de neve. Recomendo levar roupas térmicas e impermeáveis, botas anti-derrapantes e impermeáveis, e acessórios como cachecol e protetor de ouvido (não esquecer da meia térmica, porque só bota não é suficiente). Além disso, alugar as roupas pra usar por cima, como casaco, calça, luva e bota. Pra quem vai passar mais do que um dia na neve ou fazer outros passeios que envolvem neve, é legal levar sua própria bota e luva se tiver, pra não ter que alugar toda hora. Começamos o passeio pelo Valle Nevado, onde não é recomendado para iniciantes esquiarem. Andamos de teleférico, almoçamos na estação de esqui lá no topo, fizemos outra parada para o “esqui bunda”, tivemos tempo livre pra ficar passeando. Por volta de 16hs o transfer nos buscou e nos deixou na estação de esqui abaixo do Valle Nevado, a El Colorado, onde pernoitamos.  

O hotel é o El Colorado Bungalows, super aconchegante, a área comum onde acontecem as refeições é toda de vidro, vi um dos entardeceres mais lindo da minha vida, e o lugar ainda conta com lareira. Ótimo pra relaxar e aproveitar o jantar, café da manhã e tempo livre. O jantar (incluído no valor da diária) no restaurante La Rotonda tem um buffet de entradas liberado, e um cardápio para escolha do prato principal, e as bebidas não alcoólicas estão incluídas. O filé de merluza é sensacional.

3º DIA:

O café da manhã conta com buffet liberado e várias opções de sanduíches/omeletes que podem ser solicitadas e feitas na hora. Diversos cafés deliciosos – recomendo o cappuccino de caramelo! Tudo incluído no valor da nossa diária.

El Colorado: Nosso grupo se dividiu, duas foram aprender a esquiar em El Colorado, onde gastaram aproximadamente  90 dólares em um pacote com aproximadamente três horas de aula de esqui para iniciantes, mais equipamentos com a professora Glória, e eu e outra amiga pegamos uma van e descemos para a estação de Farellones para fazer outras atividades na neve como boia, tirolesa, bicicleta na neve, etc… Dá pra montar pacote de acordo com as atividades que quer fazer e gasta-se mais ou menos 20 dólares. Farellones é a estação com menos neve, então dependendo da época, algumas atividades não estão funcionando. É a melhor estação para crianças aprenderem a esquiar. Depois disso, subimos para El Colorado para encontrar as amigas que estavam esquiando e pegamos o teleférico (2 dólares) para ir pro restaurante no topo do El Colorado. Vale muito a pena. Dica: tem churrasquinhos maravilhosos de chorizo. Como típicas brasileiras, na hora de comprar pedimos churrasco. Nos entregaram hambúrguer! Sim, hambúrguer = churrasco, e o churrasquinho de chorizo chama-se anticucho. Delicioso, vale muito a pena! Custa 5 dólares, mas vem dois enormes, dá pra dividir. Após o almoço, nosso transfer nos levou de volta para Santiago.

Chegando em Santiago, por volta das 16h, conseguimos visitar o Shopping Costanera que possui um “rooftop” no 61º andar chamado Sky Costanera, onde pagamos uma taxa para subir, e possui o pôr-do-sol mais bonito e famoso de Santiago. Vale muito a pena! Fica a cinco estações de metrô de Bellavista, onde estávamos hospedadas. A vista é de toda a cidade e da cordilheira dos Andes. Pôr do Sol lindo demais. No shopping tem um supermercado chamado Jumbo, todos os vinhos são mais baratos lá e eles têm uma adega muito boa, com muitas opções. Compramos vinhos mais baratos que nas vinícolas e queijos ótimos.

Pubcrawl Santiago: Encontramos o grupo no Facebook como dica do que fazer à noite perto de onde estávamos hospedadas. É no próprio bairro de Bellavista, pagamos 10 dólares cada e tivemos acesso a três bares super legais, o primeiro com cerveja liberada, e os outros dois com shots e às vezes drinks, e por último uma casa de salsa. Os guias são ótimos, e o grupo tinha em torno de 40 pessoas. Diferente do Happy Ending Tours que era mais privativo, com umas 15 pessoas. No pubcrawl o tour é feito a pé, e o bairro de Bellavista não é dos mais seguros, então é bom ficar atento. Nos bares tem DJ e espaço reservado para o grupo, acaba sendo mais divertido do que a casa de salsa que é bem cheia e o grupo se separa. Mas no geral é um ótimo passeio e o custo benefício melhor ainda.

4º DIA:

Cajón del Maipo: Pelo valor de 50 dólares, o transfer nos buscou por volta de 5h30 da manhã, e são três horas de viagem até lá com uma parada para café da manhã e para aluguel de roupas. Esse passeio não ocorre em caso de muita neve pois fica perigoso. Fizemos o passeio com o guia Francis Maldonado (também da Alfatur) que foi incrível! Ao chegar lá é feita uma trilha pela Cordilheira dos Andes, à beira do precipício. Temos que andar em fila com espaço de cinco metros entre as pessoas em caso de caírem rochas do topo da montanha. É um leve perrengue, mas quando chegamos no local do visual da represa, é completamente recompensado. Vale a pena investir em botas anti-derrapantes pra esse passeio, porque a mistura de lama com neve escorrega muito! O local não conta com boa infra-estrutura, banheiros, restaurantes, nada! A nossa agência proporcionou um piquenique impecável com queijos e vinhos típicos, e eles possuem o diferencial de ir mais cedo que as demais excursões de outras agências, então aproveitamos o local bem vazio, e saímos de lá por volta de 13h, quando estava começando a encher. Achei essa estratégia excelente, recomendo muito, é sem dúvidas o melhor passeio da viagem depois do Valle Nevado. Chegamos em Santiago por volta de 16h e aproveitamos pra conhecer praças como o Cerro Santa Lucia, feiras locais e lojinhas do bairro.

Pátio Bellavista: À noite, fomos a este espaço gastronômico cheio de bares e restaurantes. Mas, os preços são altíssimos e atendimento péssimo.  A comida demora em torno de uma hora pra chegar. Nessa noite jantamos no restaurante “Backstage” que é bem badalado mas tivemos uma péssima experiência. Gastamos uns 25 dólares, demorou muito e veio frio. Não recomendo. 

5º DIA:

Vinícola Concha y Toro: Pagamos 30 dólares pelo passeio com transfer da agência. Dura aproximadamente três horas. Meramente comercial, vale a pena mesmo só para quem quer comprar vinhos específicos que só encontramos lá. O tour não possui um diferencial, não é em português, e os atendentes não são muito simpáticos. Eu eliminaria essa do roteiro e escolheria qualquer uma outra menos comercial. Ou pra quem não conhece, pode também incluir o passeio das praias Viña del Mar e Valparaíso, que eu já conhecia e preferi ir na Concha y Toro. Nessa época de inverno as videiras não estão floridas, então ir em muitas vinícolas acaba sendo “ver mais do mesmo”. Dizem que almoçar lá vale a pena, mas como era nosso dia de voltar pro Brasil, não deu tempo.

Na volta, almoçamos no Pátio Bellavista onde tivemos uma experiência muito mais econômica e agradável do que no dia anterior, no Kilkenny Irish Pub, apesar da demora, que pelo que percebemos, acontece em qualquer restaurante em Santiago. No final da tarde fomos para o aeroporto para voltar pro Rio.

DICAS ÚTEIS:


– Levar pesos chilenos

– Levar roupas térmicas e botas anti-derrapantes e impermeáveis

​- Comprar vinhos em mercados (a não ser que faça questão de edições especiais)

– Dormir pelo menos uma noite em uma estação de esqui

– Almoços nas vinícolas devem ser agendados com antecedência

– Visitar mais de uma vinícola no inverno não vale muito a pena, exceto para apaixonados por vinho e colecionadores que querem comprar itens especiais

QUER SABER MAIS SOBRE SANTIAGO? ACESSE TAMBÉM:

Site oficial da cidade

Laura Góes
Laura Góes
Analista de T.I, mora no Rio de Janeiro, gosta de aproveitar o tempo livre para fazer viagens curtas.

Leia Também

SAN PEDRO DE ATACAMA: tours no deserto, o que fazer, como ir

O deserto mais árido do mundo, com passeios para lagoas, gêiseres, vales, vulcões, salar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos Posts

SAINT BARTH: as melhores praias, o que fazer, como ir

Uma (tentativa de) viagem barata na ilha francesa dos milionários e celebridades no Caribe

GORGES DU VERDON: como ir, o que fazer, onde ficar

Um dia no maior cânion da Europa, com pedalinho no lago e os campos de lavanda

MARSELHA: como ir às calanques, o que fazer, onde ficar

As belas calanques, praia, sol, imigrantes e uma França bem diferente da capital

SÃO PETERSBURGO: o que fazer, roteiro, dicas de viagem

Com toque europeu, a luxuosa cidade imperial dos czares russos, cultura e as noites brancas

IOS: festas, praias e o que mais fazer nesta ilha grega

A ilha grega com festas o dia inteiro e diversão garantida a preços baixos