Croatian-flag

HVAR: o que fazer, como ir, dicas de viagem desta ilha croata

A ilha da moda no mar Adriático, destino mais famoso da Croácia
Publicado em:

Quando fui a Hvar: Agosto de 2010

Quanto tempo: 2 dias

A ilha mais famosa e mais visitada da Croácia não decepciona. Hvar, que chegou a ser uma colônia grega, é uma cidade com várias construções históricas. Já há alguns anos é a ilha da moda no mar Adriático, destino badalado para curtir o verão europeu aproveitando belas praias e, claro, muitas festas, tendo como pano de fundo vários “barquinhos”, iates e veleiros de sei lá quantos pés. O nível é alto! 

Estive lá em agosto de 2010 com um grupo de amigos, em viagem pelo país que também incluiu Novalja, Zadar, Split e o parque de Plitvice Lakes (priorizamos as festas, e não tivemos tempo de ir até Dubrovnik). Fazendo uma comparação entre dois destinos croatas bastante procurados, Hvar é muito mais conhecida do que Novalja, com isso, um pouco mais estruturada e certamente mais cara. O turismo por lá já é coisa que acontece há bem mais tempo do que nesta outra ilha, por isso, o perfil dos turistas também muda. Na média, são pessoas mais ricas, de nacionalidades mais variadas (isso significa também mais brasileiros) e há mais famílias.

​Se tivesse que escolher apenas um lugar da Croácia para visitar, eu diria que a escolha é Hvar, ilha que mistura um pouquinho de cada coisa boa que este país integrante da ex-Iugoslávia tem pra oferecer: história, belezas naturais, agito para quem gosta e também tranquilidade para quem prefere. 

​Um ponto que me chamou a atenção naquela época sobre a Croácia foi a comunicação. Apesar de grande parte dos jovens falar inglês, eram raras as pessoas mais velhas e nos serviços do dia a dia que sabiam o idioma da Terra da Rainha. Claro que isso também ocorre em muitos outros países, mas na Europa nem tanto. Como eu só aprendi a falar “Hvala” (Obrigado) em croata, às vezes rolou uma certa dificuldade de entendimento, mas nada que a mímica ou uma mistura de línguas não solucionasse o problema. Aliás, com tanta praia paradisíaca, sol, cerveja e gente bonita por lá, não dá nem para falar em problema!

Split é a principal cidade de onde saem barcos para Hvar. Estávamos em Zadar, e pegamos uma van que fechamos na rodoviária até Split, que nessa ocasião foi apenas um ponto de passagem para nós. Logo que chegamos, pegamos um ferry da empresa Jadrolinija rumo à ilha de Hvar, um trajeto de pouco menos de 2 horas, por 47 kunas (7 euros), comprando ali na hora mesmo. Também existe o barco rápido (catamarã) que te deixa direto do centro de Hvar, mas são menos saídas diárias, e no verão vale garantir o ticket com pelo menos um dia de antecedência. O ferry chega no porto de Stari Gradi, do outro lado da ilha. De lá, pegamos um ônibus que demora uns 20 minutos até o centro de Hvar (Hvar Town), onde chegamos à noite. Para chegar a Split, também há voos partindo de diversas cidades europeias. Para quem está em Dubrovnik, ali de perto, da cidadezinha de Drvenik, partem barcos que vão até Hvar.

Para circular no centro, em Hvar Town, é possível caminhar para conhecer as praias mais próximas, principais bares e a vida noturna. Para explorar pontos mais distantes da ilha é necessário algum meio de transporte. Até existem ônibus, mas a forma mais prática é alugar um quadriciclo, moto ou carro. Quando eu fui para a Croácia, não existiam tantos lugares que alugavam aqueles quadriciclos 4×4, e o preço estava altíssimo, bem diferente do que acontece na Grécia, por exemplo. Hoje em dia, no entanto, a oferta está maior e facilitou esse tipo de locomoção.

HOSPEDAGEM:

Apenas um dia antes da nossa chegada, tínhamos reservado pela internet um apartamento para menos do que seis pessoas, mas estávamos em dez. No entanto, com uma boa conversa e contando com a boa receptividade do senhor croata, conseguimos resolver a situação e arrumar cama para todos. O nome do lugar é House Kokolo, bem localizado perto do centro, e pagamos 140 kunas (20 euros) por pessoa a diária.

​Os hotéis no centro não costumam ser baratos durante o verão e hostels podem lotar rapidamente, mas é importante não ficar afastado dali, onde rola todo o agito. Uma boa alternativa é mesmo alugar um apartamento, normalmente com preços melhores.

– FAÇA AQUI A SUA RESERVA PELO BOOKING.COM OU HOSTELWORLD.COM

​O QUE FAZER:

​Como ficamos pouco tempo em Hvar, nosso esquema foi aproveitar as praias próximas ao centro e depois curtir o fim de tarde e a noite com muita cerveja nesta área. A praça principal de Hvar Town, ao lado do porto, conta com várias lojinhas, restaurantes, tendas com souvenirs e artesanatos, e é lá também que estão algumas construções históricas, como a Catedral de Santo Estêvão, a Torre do Relógio, o Palácio Hektorovic, Galeria Cívica e o Arsenal (teatro municipal). Quase tudo na ilha gira em torno desta praça, sempre movimentada com muitos iates atracados ali, gente chegando e saindo. Ali perto também fica o Mosteiro Franciscano, e na parte alta da ilha está a Fortaleza Espanhola, de onde rola uma bela vista panorâmica.

​Durante o dia, algumas boas praias (todas de pedra, nada de areia por lá) podem ser alcançada com uma pequena caminhada desde o centro, várias outras apenas com algum meio de transporte.  Nós fomos em uma praia chamada Pokonji Dol, que fica em uma baía que tem uma ilheta de mesmo nome em frente. Lugar de fácil acesso perto do centro, precisa apenas descer um barranco a pé, nada muito complicado. A praia é tranquila, mas costuma ficar cheia e tem boa opção de restaurante para almoçar.

​Mas para quem pretende explorar melhor outros cantos da ilha e/ou é menos boêmio, existem outros pontos que podem ser conhecidos. Alugando uma moto ou carro, dá para rodar em pontos na própria ilha de Hvar. Algumas das principais praias são Milna, Zavala, Ivan Dolac, e Dubovica. Também vale citar lugares como Vrboska, conhecida com a Pequena Veneza por causa do canal, e Brusje, onde estão os campos de lavanda. 

​Muito comum entre os turistas é fechar um passeio de barco, ou mesmo alugar um pequeno barco a motor (custa a partir de uns 60 euros para o dia todo) que não é preciso de habilitação para pilotar, e ir nas Ilhas Pakleni, que ficam logo em frente. Lá, são várias praias de água cristalina, como a Palmizana, que conta com restaurantes, além da Mlini, Vlaka, Jerolim e Zdrilka. Por fim, o passeio até a Blue Cave também é bastante recomendado, no qual você entra em uma caverna cercada pelo mar azul do Adriático.

FESTA:

A partir da tarde até o início da noite, o tiro certo do agito é o Hula-Hula Beach Club, na beira do mar, perto do centro. Apesar de ser localizado em uma praia bem apertada, é lá onde rola música, cerveja, pôr do sol, mulherada de topless e tudo mais que um verão que se preze tem que ter.

À noite, o lugar mais concorrido é o Carpe Diem Bar, também no centro, que fica lotado até cerca de 1h da manhã. O Kiva Bar também costuma encher. Depois, uma das opções de balada é o Veneranda, mas a que achei mais interessante foi a Carpe Diem Beach Club. A partir de 1h30, barcos saem do porto no centro em direção a uma pequena ilha chamada Stipanksa, localizada a uns 10 minutos dali. Pagamos cerca de 8 euros para a entrada e, apesar de as bebidas serem caras, vale a pena conhecer. O som rola até o sol nascer e o lugar, a maior parte a céu aberto, é irado, com vários sofás espalhados e um clima bem “festa na praia”. Vale lembrar ainda que Hvar faz parte da rota do Yacht Week, uma viagem de veleiros com festas no verão.

​Fazendo uma comparação da balada entre dois destinos bastante procurados na Croácia, como alguém definiu bem a diferença: “Hvar é muito pagação, enquanto Novalja é mais pegação”. Isso não quer dizer que uma ilha seja melhor do que a outra, são estilos diferentes, depende do gosto de cada um. Na minha opinião, os dois lugares valem a visita.

IMPERDÍVEL

– Fim de tarde no bar Hula-Hula, com direito a muita cerveja, pôr do sol na praia, DJ e bastante gente curtindo o verão europeu.

– Hvar não é uma ilha barata e fica cheia no verão, mas é possível lugar apartamentos com bom preço perto do centro.

– Vale ficar esperto nos horários dos barcos rápidos saindo de Split para Hvar, que são poucos por dia.

QUER SABER MAIS SOBRE HVAR ? ACESSE TAMBÉM:

Site oficial da cidade

Blog A Viagem Certa

Tiago Leme
Tiago Lemehttps://www.boraviajaragora.com/
Jornalista, autor do Bora Viajar Agora, atualmente morando em Paris, trabalhando como freelancer. Já visitei 77 países. Os posts escritos neste blog são relatos de minhas viagens, com dicas e informações para ajudar outros viajantes.

Leia Também

LAGOS PLITVICE: como ir, o que ver, dicas e trilhas do parque

O espetacular parque nacional da Croácia, com cachoeiras e lagos verdes e azuis

NOVALJA (Zrce Beach): as melhores festas e praias, como ir

A Ibiza croata! Um destino barato para baladas no verão europeu

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos Posts

SAINT BARTH: as melhores praias, o que fazer, como ir

Uma (tentativa de) viagem barata na ilha francesa dos milionários e celebridades no Caribe

GORGES DU VERDON: como ir, o que fazer, onde ficar

Um dia no maior cânion da Europa, com pedalinho no lago e os campos de lavanda

MARSELHA: como ir às calanques, o que fazer, onde ficar

As belas calanques, praia, sol, imigrantes e uma França bem diferente da capital

SÃO PETERSBURGO: o que fazer, roteiro, dicas de viagem

Com toque europeu, a luxuosa cidade imperial dos czares russos, cultura e as noites brancas

IOS: festas, praias e o que mais fazer nesta ilha grega

A ilha grega com festas o dia inteiro e diversão garantida a preços baixos